• HQ•Content

O chá verde dispõe de efeitos anticancerígenos?



Atualmente, o chá é uma das bebidas mais consumidas no mundo e pode ser dividido em três grupos, o preto, verde e o oolong, estes sendo respectivamente a ordem de seu consumo mundial. Todos são feitos a partir das folhas da Camellia sinensis, o preto e o oolong sendo totalmente e parcialmente fermentados, respectivamente, e o verde não possui fermentação.


O chá verde é uma bebida popularmente asiática, composta por catequinas (8-20%), cafeína (2-4%) e aminoácidos (1-8%). A Epigalocatequina-3-galato (EGCG) e epigalocatequina, são catequinas abundantes nas folhas do chá, assim como os aminoácidos L-teanina, arginina e ácido glutâmico. O chá verde vem se mostrando muito eficiente na redução de uma série de doenças crônicas e cânceres. Dentre os vários polifenóis presentes no chá verde, o EGCG é um dos mais importantes, sendo uma substância que confere vasta gama de benefícios ao chá verde, como o combate ao câncer de pulmão, câncer colorretal, câncer de pele, câncer de próstata e de mama, sendo que tais efeitos conferem uma melhora no perfil lipídico, combate a diabetes e doenças neurológicas.


Os benefícios ao consumo do chá estão associados ao seu alto teor de compostos bioativos, como os polifenóis, os flavonóides, flavonas, flavonóis, isoflavonas e antocianinas, que possuem ação antioxidantes e anti-inflamatórias. Quando comparado com o chá preto e o chá oolong, o chá verde possui uma quantidade muito maior de polifenóis. Minerais como flúor, manganês, cromo, selênio, cálcio, magnésio e zinco, estão presentes nas folhas de chá em diferentes concentrações, podendo variar de acordo com o processo de fermentação, idade e tamanho das folhas de chá.



Efeitos benefícios das antocianinas


As antocianinas, são polifenóis de poder antioxidante no organismo humano, nas quais eliminam os radicais livres, reduzindo assim, o dano causado pelo estresse oxidativo e pelas transformações malignas causadas pela mutação genética no genoma das células normais, e também tendo um efeito preventivo contra a ocorrência de tumores. Os efeitos antioxidantes das antocianinas, são conferidos pelos radicais presentes em seus anéis de benzeno. Alguns tipos de antocianinas são capazes de regular a expressão de enzimas que controlam os agentes antioxidantes naturais do corpo, promovendo assim, um efeito protetor contra o estresse oxidativo sobre as células.


O chá verde induz a autofagia, que é um processo natural de degradação do lisossomo e remoção de células antigas e indesejadas, dentre elas estão proteínas, ribossomos, e outras organelas, e este processo ajuda na manutenção da homeostase. Nas células, a fosfatidilinositol 3-quinase (PI3K) forma um complexo com a BECLIN-1 e assim inicia a autofagia. A inibição da proteína alvo de rapamicina (mTOR), aumenta a autofagia, o que torna a rapamicina um indutor autofágico. Concentrações otimizadas de EGCG foram capazes de induzir e facilitar a autofagia e ações anti-inflamatórias, degradando as gotículas de lipídios nas células endoteliais e facilitando a degradação de endotoxinas, levando assim a ações anti-inflamatórias. O EGCG, é capaz de estender o processo de autofagia, ao atrasar a apoptose celular, e eventualmente, ao aumentar a viabilidade celular. Entretanto, foi observado que concentrações exacerbadas (100µM) de EGCG em macrófagos de linha, podem inibir a autofagia e induzir a apoptose, então os benefícios do chá verde dependem da dosagem usada, nível de estresse e as células envolvidas.



Conclusão


O chá verde é um alimento com uma alta capacidade bioativa, sendo que muitas destas capacidades se devem às suas catequinas, em especial a EGCG, que compete ao chá um alto poder anti-inflamatório, antioxidante e anticancerígeno. Entretanto, ainda existem muitos estudos em animais e algumas vias metabólicas necessitam ser esclarecidas, assim como alguns efeitos do chá verde precisam ser mais estudados, pois necessitam de maior quantidade de estudos em humanos, porém, os achados até agora são muito promissores.


⁨Autores: Lucas Sampaio e Felipe Ribeiro


Para um estudo mais aprofundado sobre o tema, seguem abaixo algumas sugestões:


Blog HQ: 3 Compostos Bioativos moduladores da inflamação


Sugestão de estudos do Portal Science Play: Polifenóis: Qual seu Papel na Saúde?


Referências:


KHAN, N. MUKHTAR, H. Tea Polyphenols in Promotion of Human Health. Nutrients, 2019. Disponível em: https://www.mdpi.com/2072-6643/11/1/39.


SAMAVAT, H. NEWMAN, A. R., WANG, R. et al. Effects of green tea catechin extract on serum lipids in postmenopausal women: a randomized, placebo-controlled clinical trial. American Journal of Clinical Nutrition, 2016. Disponível em: https://academic.oup.com/ajcn/article/104/6/1671/4564677.


PELUSO, I.; SERAFINI, M. Antioxidants from black and green tea: from dietary modulation of oxidative stress to pharmacological mechanisms. British Journal of Pharmacology, 2016. Disponível em: https://bpspubs.onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/bph.13649.